...

...
...

terça-feira, 19 de junho de 2018

Jesus perdoa os pecados

Iniciamos o nosso encontro pedindo ao Pai de Amor um coração forte e bom como o coração de Jesus, um coração capaz de amar e perdoar, um coração capaz de fazer o bem sem olhar a quem.
Refletindo sobre a Palavra, vimos que Jesus convida todos à conversão e são os pecadores que mais o acolhem. Ele não concorda com o pecado, mas tem muita misericórdia com quem é pecador.
No relato sobre Zaqueu (Lc 19, 1-10) aparece muito bem como Jesus se relaciona com os pecadores. Ele não concorda com o pecado das pessoas, mas acolhe um coração arrependido que deseja mudar de vida. Zaqueu queria ver Jesus. Ao encontrar Jesus, quis mudar de vida, então decide dar a metade de seus bens aos pobres e devolver quatro vezes mais o que roubou. Jesus acolhe esta decisão e afirma que a salvação agora chegou na casa de Zaqueu, porque ele deu sinais de conversão.
O que aprendemos desta história? Que mudanças concretas precisamos fazer em nossa vida para experimentar a salvação que Jesus quer nos trazer?
Em seguida, lemos um texto do Evangelho segundo São João, em que Jesus perdoa uma pecadora. Vimos que a mulher havia pecado. Era pecadora. Os fariseus também certamente tinham os seus pecados. Afinal, todos somos pecadores. Todos cometemos, por fraqueza, erros que não deveríamos cometer. O que fazer diante de uma pessoa que errou? Será que adianta apedrejar, como a lei daquele tempo mandava? Jesus ensina um modo diferente de lidar com os pecados: o perdão.
Ao perdoar a mulher pecadora, Jesus não está apoiando seus erros, mas está dando a ela uma oportunidade de ir e não pecar mais, ou seja, de consertar a própria vida, de melhorar, de se aperfeiçoar, superando seus erros. É para isso que serve o perdão: para nos dar outra chance e nos ajudar a consertar nossos erros.
Encerrando, motivei as crianças para a oração: Zaqueu acolheu Jesus e sua vida mudou. Como ele, vamos pedir a Jesus um coração aberto para receber sua visita e para deixar que ele transforme nossa vida.
Convidei a turma para pedirmos o perdão de Deus. O perdão é um grande ensinamento de Cristo. Se amamos o próximo, devemos entender o sentido do perdão. Quem entendeu os outros ensinamentos de Cristo, não terá dificuldade de entender a importância do perdão. Em silêncio, cada um vai pensar em seus erros, falhas, fraquezas. Cada um pode pensar nas vezes que magoou e ofendeu os outros, e por eles foi magoado e ofendido, em casa, na escola, na catequese, em tantos lugares, com palavras agressivas, ofensas desnecessárias, atitudes que magoaram... Pensar em todas as vezes que teve chance de perdoar um companheiro e não o fez, em todas as vezes que teve chance de agir com tolerância e agiu com violência. E vamos pedir a Deus, que é sempre amoroso, para nos perdoar e renovar as nossas forças para que a gente possa sempre amar e perdoar também.
Em sinal de reconciliação, disse-lhes para dar um abraço nos colegas.
E assim foi o nosso encontro.
Estivemos reunidos e vamos permanecer unidos, em nome do Pai, do Filho do Espírito Santo. Amém!
Obrigada Jesus!
Roteiro completo desse encontro na página http://mgathe.blogspot.com/2016/02/jesus-e-os-pecadores.html


ALGUNS MOMENTOS DO NOSSO ENCONTRO











Mimos para os meus catequizandos... O bolo de milho e as cocadinhas foram feitas por mim! rs


domingo, 3 de junho de 2018

O Simbolismo da Água na Bíblia e na Liturgia


Ontem, dia 30 de maio, foi realizada a Celebração de Louvor Sobre a Água com os familiares e as crianças da minha turminha de Catequese. Essa Celebração marca o encerramento de uma etapa  da nossa caminhada e marca o início de outra.

água é a expressão da graça de Deus concedida maravilhosamente a toda sua criação. É um elemento natural que possui grande simbolismo na Bíblia e na Liturgia. Lembra a criação (Gn 1), o dilúvio (Gn 7), a passagem pelo mar (Ex 14,15ss, o batismo de Jesus (Mc 1,9), o lava-pés (Jo 13,1-11), temas que vimos nos encontros dessa etapa que se encerra.

Vamos entender o que é Símbolo...

Podemos dizer que o Símbolo é a linguagem do mistério, ou seja, a comunicação do mistério. Os símbolos na Liturgia contêm, ocultam, e ao mesmo tempo revelam e comunicam o mistério. Por isso, dizemos que na liturgia todos os Sinais são sinais simbólicos, e serão Sinais Litúrgicos na medida em que forem capazes de ocultar, conter, revelar e comunicar os mistérios de Cristo.

Do texto de autoria do Frei Alberto Beckhäuser, OFM: "A linguagem usada pela liturgia para evocar os mistérios de Cristo e atualizá-los aqui e agora na comunidade cristã vai além das palavras. Nela entram todos os sentidos e ela passa por todos  os elementos da natureza. Na Sagrada Liturgia, a Igreja lança mão de elementos da natureza como símbolos ou sinais sensíveis e significativos dos mistérios celebrados. Quanto mais os símbolos estão ligados à vida, mais fortes e significativos eles serão. Assim, o ser humano comunica-se com Deus através daquilo que ele é, de maneira encarnada, enquanto nele se encontram os elementos da natureza, como a terra, a água, o ar e o fogo. Os símbolos falam por si. Podemos apenas explicitar, desdobrar, introduzir no seu limiar para que a pessoa possa entrar no interior e experimentar seu mistério." 

Sobre o elemento água, nos ensina o Frei Alberto: "A água é um símbolo muito significativo e forte. Ocorre no Batismo e na Eucaristia. Refletindo sobre o sentido da água, veremos que ela está em íntima relação com a vida do ser humano. Serve para purificar, para embelezar, para tomar banho, para refrescar, para reanimar. A água é a força dinâmica; água demais pode destruir. A água serve para matar a sede. Sem água não haveria nenhuma espécie de vida sobre a terra. É essencial para a vida do ser humano. Podemos dizer, então, que água é vida. Eis que estamos diante do simbolismo da água. A partir desta compreensão da água podemos entender melhor o sentido do Batismo e principalmente da oração da bênção da água batismal. Observemos como a água está presente na celebração dos mistérios sagrados, sobretudo como recordação e renovação do batismo."

O Símbolo Batismal mais importante é a “Água”.

A água simboliza a vida (remete-nos sobretudo ao nosso batismo, onde renascemos para uma vida nova). Pode simbolizar também a morte (enquanto por ela morremos para o pecado). Nesse sentido, ela é mãe e sepulcro.
Todo o que bebe dessa água, terá sede de novo; mas quem beber da água que eu darei, nunca mais terá sede: porque a água que eu darei se tornará nele uma fonte de água jorrando para a vida eterna. (Jo 4, 13-14)





Salmo 42

"A minh'alma tem sede de Deus, 
a minh'alma tem sede de Deus, 
a minh'alma tem sede de Deus, 
a minh"alma tem sede de Deus. 

A minha alma tem sede de Deus, 
e deseja o Deus vivo. 

Quando terei a alegria de ver, 
a face de Deus, a face de Deus? 

Peregrino e feliz 
Caminhando para a casa de Deus.
Entre gritos, louvor e alegria 
da multidão jubilosa

Então irei aos altares do Senhor 
Deus da minha alegria.
Vosso louvor eu cantarei
Meu Senhor e meu Rei!
Meu Senhor e meu Rei!






"Os Evangelhos contam muitas experiências que nós precisamos chegar diante da fonte de vida que é Jesus Cristo, bem como beber a água viva que Ele oferece. No entanto, uma experiência surpreendente é a narrativa do Evangelho de João que conta a história da Mulher Samaritana (João 4, 1-30)".

(Tudo sobre a Celebração de Louvor Sobre a Água na página 
http://mgathe.blogspot.com/2015/10/celebracao-de-louvor-sobre-agua.html)
ALGUNS MOMENTOS DA NOSSA CELEBRAÇÃO